Página Inicial APMF Apresentação Calendário Escolar
Disciplinas | Conteúdos
Espaço Físico Fale Conosco Formação Continuada Infra-estrutura Notícias da Educação Notícias do Colégio
Organização do Trabalho Pedagógico Escolar
Órgãos Colegiados Projetos do Colégio Serviços Públicos de Apoio Escolar Suporte Informática / Alunos Suporte Informática / Professores Formulário - alunos

Quantidade de Páginas visitadas

Déficit de Atenção - 8 sinais aos quais os pais devem ficar atentos
O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é uma doença cercada de controvérsia. Por atingir principalmente crianças, muito pais enxergam problemas onde eles não existem — sintomas isolados são comuns nesta fase da vida. Também há quem não preste atenção ao conjunto de sintomas que a caracterizam: quadros de desatenção, hiperatividade e impulsividade de maneira exacerbada.

Há um grande número de crianças com a doença, reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Segundo dados da Associação Brasileira de Déficit de Atenção (ABDA), cerca de 3% a 5% das crianças brasileiras sofrem de TDAH, das quais de 60% a 85% permanecem com o transtorno na adolescência.

É preciso enfrentá-la cedo. Quando não diagnosticada e tratada, pode trazer sérios prejuízos a curto e longo prazo. Em crianças, é comum a queda no rendimento escolar, por causa de desorganização, da falta de paciência para assistir às aulas e estudar. Na fase adulta, o problema pode ser a causa de uma severa baixa auto-estima, além de afetar os relacionamentos interpessoais, uma vez que a pessoa tem dificuldades em se ajustar a horários e compromissos e, frequentemente, não consegue prestar atenção no parceiro.

Confira abaixo oito desses sintomas que, quando aparecem com frequência e em mais de um ambiente (escola e casa, por exemplo), podem servir como um alerta de que chegou a hora de procurar ajuda profissional.

TDAH

Distração - As crianças com TDAH perdem facilmente o foco das atividades quando há algum estímulo do ambiente externo, como barulhos ou movimentações. Elas também se perdem em pensamentos “internos” e chegam a dar a impressão de serem “avoadas”. Essas distrações podem prejudicar o aprendizado, levando o aluno a ter um desempenho muito abaixo do esperado.

Perda de objetos - Perder coisas necessárias para as tarefas e atividades, tais como brinquedos, obrigações escolares, lápis, livros ou ferramentas, é quase uma rotina. A criança chega a perder o mesmo objeto diversas vezes e esquece rapidamente do que lhe é dado.

Lição escolar - Impaciente, não consegue manter a atenção por muito tempo. Por isso tem dificuldade em terminar a tarefa escolar, pois não consegue se manter concentrada do começo ao fim, e acaba se levantando, andando pela casa, brincando com o irmão, fazendo desenhos...

Movimentação constante - Traço típico da hiperatividade, é comum que mãos e pés estejam sempre em movimento, já que ficar parado é praticamente impossível. A criança acaba se levantando toda hora na sala de aula e costuma subir em móveis e em situações nas quais isso é inapropriado. Para os pais, é como se o filho estivesse “ligado na tomada”.

Passeios e brincadeiras - Existe grande dificuldade em participar de atividades calmas e em silêncio, mesmo quando elas são prazerosas. Em vez disso, preferem brincadeiras nas quais possam correr e gritar à vontade. Por isso costumam ser vetados de algumas festas de aniversário ou passeios escolares.

Paciência - Tendem a ser impulsivas e não conseguem esperar pela sua vez em filas de espera em lojas, cinema ou mesmo para brincar. É comum ainda que não esperem pelo fim da pergunta para darem uma resposta e que cheguem a interromper outras pessoas.

Desatenção - Distraída e sem conseguir prestar atenção na conversa, dificilmente consegue se lembrar de um pedido dos pais ou mesmo de uma regra da casa. A sensação que se tem é a de que ela vive “ no mundo da lua”. É comum, portanto, que os pais acabem repetindo inúmeras vezes a mesma coisa para a criança, que nunca se lembra do que foi dito.

Impulsividade - A criança com TDAH não tem paciência nem para concluir um pensamento. Assim, ela acaba agindo sem pensar e chega a ser impulsiva e explosiva em alguns momentos. Os rompantes podem ser vistos, por exemplo, durante brincadeiras com os demais colegas que culminem em brigas ou discussões.

Fontes: Maria Conceição do Rosário, psiquiatra e professora do Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e do Child Study Center, da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, e Thiago Strahler Rivero, psicólogo do Departamento de Psicobiologia do Centro Paulista de Neuropsicologia da Unifesp.

http://veja.abril.com.br/noticia/saude/deficit-de-atencao-8-sinais-aos-quais-os-pais-devem-ficar-atentos

Aretha Yarak
22 DE MARÇO - DIA MUNDIAL DA ÁGUA

Desde os primórdios da humanidade sabemos que o homem sempre se estabeleceu em locais próximos aos rios e mares, para garantir seu sustento através da pesca e da agricultura. A história do Egito faz uma excelente demonstração desse fato, quando os homens, às margens do rio Nilo, fizeram os primeiros aglomerados humanos e construíram as primeiras cidades do mundo. Ali já se registrava o quanto o homem era dependente da água. Porém, com o passar dos anos, com a evolução da humanidade, a água passou a ser tratada com desrespeito, sendo poluída e desperdiçada. Por esses motivos, a ONU (Organização das Nações Unidas) criou o Dia Mundial da Água, em 22 de março de 1992, para promover discussões acerca da consciência do homem em relação a tal bem natural. Em 10 de dezembro de 2002, o senado brasileiro aprovou o dia nacional da água através do projeto de lei do deputado Sérgio Novais (PSB-CE). O texto destaca que esse deverá “oferecer à sociedade brasileira a oportunidade e o estímulo para o debate dos problemas e a busca de soluções relacionadas ao uso e à conservação dos recursos hídricos.” A preocupação surgiu através dos grandes índices de poluição ambiental do planeta, envolvendo a qualidade da água que consumimos. A ONU elaborou um documento com medidas cautelosas a favor desse bem natural, trazendo também informações para garantir a cultura de preservação ambiental e a consciência ecológica em relação à água. Na Declaração Universal dos Direitos da Água, criada pela ONU, dentre as principais abordagens estão: - Que devemos ser responsáveis com a economia de água, pois essa é condição essencial de vida; - Que ela é um patrimônio mundial e que todos nós somos responsáveis pela sua conservação; - Que a água potável deve ser utilizada com economia, pois os recursos de tratamento são ainda lentos e escassos; - Que o equilíbrio do planeta depende da conservação dos rios, mares e oceanos, bem como dos ciclos naturais da água; - Que devemos ser responsáveis com as gerações futuras; - Que precisamos utilizá-la tendo consciência de que não devemos poluí-la ou envenená-la; - Que o homem deve ser solidário, evitando o seu desperdício e lutando pelo seu equilíbrio na natureza. Com esse documento, a Organização das Nações Unidas tornou obrigatório que todos as pessoas sejam responsáveis pela qualidade da água, bem como pela sua manutenção, tendo, assim, formas de garantir a melhoria de vida no planeta.

Vamos redobrar a atenção com relação ao mosquito Aedes aegypti que é responsável pela Dengue e também pela febre Chikungunya
Precisamos redobrar os cuidados em relação a reprodução do Aedes aegypti,
utilizando e divulgando as formas de prevenção e combate a este vetor, uma
vez que ele é o responsável por transmitir a Dengue e também a Febre Chikungunya.
Os casos suspeitos de Chikungunya devem ser comunicados/notificados em até 24 horas
a partir da suspeita inicial, para a Secretaria Municipal de Saúde ou à Secretaria Estadual
de Saúde. Há o Disque Notifica (0800-644-6645).


SVS informa procedimentos a serem adotados para a vigilância da Febre
do Chikungunya no Brasil

A Febre do Chikungunya é uma doença de transmissão autóctone restrita a
países da África e Ásia, e até então com registros de casos importados nos
Estados Unidos, Canadá, Guiana Francesa, Martinica, Guadalupe e no Brasil.
Causada por um vírus do gênero Alphavirus transmitida por mosquitos do gênero
Aedes, sendo Ae. aegypti e Ae. albopictus os principais vetores, a Febre do
Chikungunya registrou no final de 2013 a transmissão autóctone da doença
em vários países do Caribe.
Nos últimos dois meses, um vírus transmitido por um mosquito que é comum
na África e na Ásia avançou rapidamente pelo leste do Caribe. Segundo
especialistas em saúde pública, a perspectiva é que essa dolorosa doença,
até agora distante, deite raízes na região. A febre Chikungunya, doença
viral semelhante à dengue, foi identificada inicialmente em dezembro no
lado francês de Saint Martin. Desde então, já se espalhou para sete outros
países, segundo as autoridades. Já houve 3.700 casos confirmados ou
suspeitos da doença. É a primeira vez que a doença foi contraída localmente
no hemisfério ocidental. Especialistas dizem que as condições estão propícias
para o vírus chegar à América Central e do Sul, mas que é pouco provável
que afete os EUA. "Quando uma doença se desloca de um continente para outro
, é um fato importante", disse C. James Hospedales, diretor-executivo da Agência
Caribenha de Saúde Pública, em Trinidad. "A febre Chikungunya chegou para ficar?
É provável que sim." A febre Chikungunya é especialmente problemática para lugares
como Saint Martin, ilha francesa e holandesa que recebe 2 milhões de turistas por ano.
Em um esforço para impedir que a doença afete o turismo e prejudique a economia da ilha,
governos locais lançaram campanhas de pulverização de inseticida e visitas de casa em
casa para fazer a limpeza dos lugares que possam ser criadouros do mosquito.
O lado francês de Saint Martin já teve 476 casos confirmados; no lado holandês,
40, segundo a Agência Caribenha de Saúde Pública. Martinica já teve 364 casos
confirmados de Chikungunya. O Ministério da Saúde de Sint Maarten,
o lado holandês da ilha caribenha, disse que nenhum turista canadense,
europeu ou americano hospedado em um resort adoeceu até agora.
As autoridades recomendam aos visitantes usar roupas de mangas
e repelente de insetos com alto teor de DEET (dietiltoluamida). "Poucas
reservas foram canceladas. Mas algumas pessoas não entenderam
exatamente a situação e pensaram que pudesse ser uma pandemia em
grande escala", disse Kate Richardson, porta-voz do conselho de turismo
do lado francês de Saint Martin. O vírus Chikungunya provoca febre alta
e dores musculares, sintomas semelhantes aos da dengue, que afeta o
Caribe há vários anos. Enquanto a dengue pode ser fatal, a febre Chikungunya
raramente o é. Mas especialistas disseram que os efeitos da Chikungunya, como
a dor nas articulações, tendem a durar mais tempo, podendo prolongar-se por
meses. Ann M Powers, dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças em Atlanta,
disse que surtos da doença em outros países deixaram pessoas incapacitadas devido
à forte dor nos pulsos e tornozelos. O vírus já foi detectado também nas Ilhas
Virgens Britânicas, na Dominica, na Guiana Francesa, em Guadalupe e em
Saint Barthélemy. "Não há dúvida de que ela tem o potencial de chegar a muitos
outros lugares no hemisfério ocidental", disse Powers. O Chikungunya foi identificado
pela primeira vez na Tanzânia, em 1952. De acordo com a Organização Mundial
de Saúde, desde 2005 quase 2 milhões de casos foram informados na Índia, na
Indonésia, nas Maldivas, em Mianmar e na Tailândia. Houve epidemias da doença
na ilha francesa de Reunião, a leste de Madagascar, em 2006, e no norte da Itália
, em 2007. De acordo com o motor de buscas sobre viagens Kayak, o número de
buscas por viagens a Saint Martin já caiu 75%. Nora E. Kelly, fiscal de restaurantes
em Ontario, embarcou para a ilha recentemente com um grupo de 28 amigos que
estudaram o avanço da doença e foram munidos de repelente contra insetos.
"Estamos vivendo um inverno horrível", disse Kelly. "O Chikungunya não vai
me impedir de viajar, de jeito nenhum." não encontrou nenhum resultado
correspondente na Web.

MINISTÉRIO DA SAÚDE / SUS
portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/
secretarias/svs/noticias-svs/9545-svs-informa-procedimentos-a-serem
-adotados-para-a-vigilancia-da-febre-do-chikungunya-no-brasil

FOLHA DE SÃO PAULO (18/02/2014)
www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2014/02/1412985
-virus-da-febre-chikungunya-de-origem-afro-asiatica-migra-para-os-eua.shtml


PLANO DE TRABALHO DOCENTE DISPONÍVEL PARA CONSULTA
Pais, Mães, Responsáveis, Estudantes....

Mais uma novidade para que possam acompanhar o dia a dia da escola. Esta sendo
disponibilizado para consulta de todos, os Planos de Trabalho Docente de todas as
disciplinas e professores do colégio agora no site.
Para consultar, siga os seguinte passos:
1) Clique na aba DISCIPLINAS/CONTEÚDOS;
2) Escolha a modalidade de ensino: ENSINO FUNDAMENTAL / MÉDIO OU PROFISSIONAL;
3) Escolha a disciplina, então uma nova página com as séries;
4) Clique sobre a série que abrirá o Plano de Trabalho Docente.


VACINA HPV - PARA MENINAS DE 11 A 13 ANOS
Senhores Pais / Mães e Responsáveis

Você está sempre fazendo tudo para proteger a sua filha.
E esta é mais uma oportunidade de você garantir que ela esteja
protegida.
A partir de março 2014, o Governo Federal disponibilizará a vacina HPV no
Calendário Nacional de Vacinação. A vacinação contra o HPV
é de grande importância na prevenção do câncer do colo de útero,
e sua filha não deve ficar de fora!
A vacinação está sendo realizada nas Unidades de Saúde do Município
e estará disponível o ano todo. A vacina é feita em 3 dose, sendo que
a segunda dose é feita seis meses após a primeira dose e a terceira dose,
após 60 meses da primeira dose.
Procure a Unidade de Saúde mais próximo da sua casa e faça a vacina na
sua filha.Não se esqueça de levar a caderneta de vacinação.




Validador

CSS válido!

Secretaria de Estado da Educação do Paraná
Av. Água Verde, 2140 - Água Verde - CEP 80240-900 Curitiba-PR - Fone: (41) 3340-1500
Desenvolvido pela Celepar - Acesso Restrito